Funcionário da Net usa dados cadastrais para assediar cliente por WhatsApp

Um funcionário da empresa de telecomunicações Net teria usado as informações cadastrais de uma cliente para assediá-la pelo WhatsApp. A jornalista Ana Prado, 26, fez a denúncia em sua página no Facebook na noite desta terça-feira (26).

Um funcionário da empresa de telecomunicações Net teria usado as informações cadastrais de uma cliente para assediá-la pelo WhatsApp.

A jornalista Ana Prado, 26, fez a denúncia em sua página no Facebook na noite desta terça-feira (26).

Segundo a jovem, o funcionário --que não teve o nome divulgado-- teria ligado para ela na parte da manhã para oferecer um pacote promocional da empresa. Não interessada na oferta, a paulista disse ter agradecido e desligado o telefone.

Na sequência, Ana Prado foi surpreendida com uma mensagem do mesmo rapaz pelo WhatsApp.

"Como ele disse que tinha falado comigo mais cedo e ele era a única pessoa com quem tive contato, fora dos meus colegas de trabalho, acabei identificando-o. Sem contar no prefixo que era o mesmo do da ligação da Net", contou Ana, que disse ter ficado chocada, principalmente, pelo deboche do rapaz.

Ele confirmou ter acesso a todas as informações dos clientes, se recusou a deletar o número da paulista e ainda a desafiou a processá-lo.

"Pela conversa, ficou evidente que isso parece ser bastante recorrente e não poderia deixar isso para lá", contou a jornalista, que acabou recorrendo ao Facebook para tornar público o caso e cobrar um maior cuidado das empresas com as informações pessoais de seus clientes.

"É bem assustador, até porque eles sabem onde moramos", afirmou ela, que percebeu que a prática não é tão incomum.

Em um dos comentários do post, uma garota conta ter recebido assédio similar após ter recebido um funcionário da Net em casa para reparos técnicos.

A publicação --com prints da conversa no WhatsApp-- foi curtida por mais de 1.650 pessoas e compartilhada mais de 590 vezes.

A Net se pronunciou também pelas redes sociais, pediu desculpas pelo ocorrido e afirmou estar tomando as devidas providências.

De acordo com Ana, uma gerente de relacionamento da empresa entrou em contato para dizer que o rapaz já teria sido "identificado" e que estavam investigando a relação dele com a Net.

A reportagem do UOL tentou contato com a empresa, mas não foi atendida.

A jornalista se disse satisfeita com o resultado de sua denúncia e afirma não pretender processar a Net nem o funcionário.

"O meu objetivo era alertar as empresas da falta de preparo dos funcionários para lidar com informações tão valiosas", disse ela.

Receba novidades por e-mail:

FIQUE SEMPRE INFORMADO!