últimas notícias
  • Seguradoras - 13 de agosto de 2009, às 07h10min
    O pedido do pagamento de indenização à seguradora suspende o prazo de prescrição até que o segurado tenha ciência da decisão. Com esse entendimento da Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, a Metropolitan Life Seguros e Previdência Privada S.A. deverá pagar R$ 12.540,00 a uma segurada que havia buscado a indenização, entretanto, não havia recebido nenhum comunicado da seguradora. Com isso, o prazo prescricional foi suspenso para aguardar a manifestação da empresa (Apelação nº 114.473/2008).
  • Seguradoras - 12 de agosto de 2009, às 18h33min
    A Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, à unanimidade, acolheu apelação interposta por um cliente contra decisão de Primeira Instância que julgou improcedente o pedido na Ação Monitória nº. 37/2006, proposta contra Itaú Seguros S.A., visando o pagamento de indenização em razão de invalidez por doença incapacitante. O apelante sofre de diabetes, hipoglicemia não especificada, dentre outras doenças, e sustentou o não acerto da decisão argumentando que não tomou conhecimento prévio das condições da apólice na ocasião da proposta porque fora feita por meio da empresa a qual trabalhava, cabendo a ele somente assinar o documento (Apelação nº. 116591/2008).
  • Seguradoras - 12 de agosto de 2009, às 09h08min
    O ônus da comprovação de ter efetuado pagamento de seguro obrigatório é da seguradora. Com esse entendimento, a Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso manteve sentença proferida pelo Juízo da 13ª Vara Cível da Capital que, nos autos da Ação Sumaríssima de Cobrança de Seguro Obrigatório n° 4.680/2007, condenara a empresa Tókio Marine Brasil Seguradora S.A a pagar 40 salários mínimos a uma segurada, a título de indenização por morte referente ao seguro DPVAT, corrigidos monetariamente e acrescidos de juros a partir da citação (Recurso de Apelação Cível n° 116573/2008).

Receba novidades por e-mail:

FIQUE SEMPRE INFORMADO!